Segunda-feira, 23 de Maio de 2011

O DEVER DE VOTAR – UMA MISSÃO DEONTOLÓGICA E DE CIDADANIA

     Quando os cidadãos assumem a decisão de não votar dizendo-se indignados com os desempenhos políticos e governativos, a sua decisão, neste caso de não votarem, não deixa de marcar as suas responsabilidades e o resultado eleitoral, normalmente penalizador para o país.  É que, o não voto, está a ajudar a eleger os piores. Nessa missão de dever deontológico e de cidadania, cabe a cada eleitor votar naqueles que lhes parecerem menos maus. Desta forma, já estão a colocar de fora os piores.

     

     Vejamos que nos erros políticos, como da governação, quando o país se degrada social e economicamente a culpa não é só dos incompetentes que governam mal, é também dos eleitores que os elegeram. Por esta forma de análise poderá dizer-se que o país e os portugueses têm a situação que merecem ao errarem no seu voto. Importa sim deixar de fora os que erraram em face das provas dadas, para que o descalabro não continue…

 

        Eu sou dirigente de uma associação que tem como objecto a Promoção e Dignificação do Homem em nível universal. Abstenho-me de me envolver na política e nas gestões governativas, mas, como o mau estado do mundo e a degradação das condições de vida das pessoas vem de cima - de quem manda, não posso deixar de fazer as minhas considerações. Tenho dito que “cada indivíduo deve ajudar o mundo e o mundo deve ajudar cada indivíduo”. Mas o que está em curso, agora mais que nunca, é a disputa de interesses e o “salve-se quem puder”, sem a mínima sensibilidade para com os grandes problemas que afectam os mais vulneráveis e desfavorecidos. No caso de Portugal está também em causa a sua credibilidade e o seu prestígio.

 

         Há uns tempos atrás, o Professor Adriano Moreira, pessoa que nos tem revelado absoluta integridade, me disse: “SE OS RECURSOS EXISTENTES FOSSEM BEM APLICADOS, SERIAM SUFICIENTES PARA RESOLVER OS PROBLEMAS DO MUNDO E DAS POPULAÇÕES”.


          Efectivamente, se houvesse uma verdadeira solidariedade com a dignificação da nossa superior espécie e se o dinheiro gasto nas fábricas de armamento, nas guerras e nas lutas pelo poder, bem como nos interesses pessoais com a terrível filosofia “DO SALVE-SE QUEM PUDER”, teríamos de facto um mundo melhor, com menos criminalidade, menos polícias e tribunais, de onde também se libertariam recursos para A promoção e dignificação do Homem.

 

          Neste âmbito haveria muito mais a dizer, o que não cabe cabalmente neste comunicado, mas não vamos deixar de alertar e sensibilizar, em tempo oportuno, os verdadeiros responsáveis pelos destinos do mundo, colocando o dedo nas feridas mais difíceis de sarar.

 

          A respeito destas eleições, cujo veredicto é decisivamente muito sério, não devemos dar o benefício da dúvida a quem não deixou dúvidas de ter causado uma catástrofe governamental e para mais exaltando a sua vasta experiência.


          Chamo para este apontamento um exemplo de si bem expressivo: os governantes não necessitam de ter superiores capacidades académicas nem elevada experiência, antes credenciais de honestidade e de absoluto empenho. Porque eles não governam sós, têm conselheiros e assessores nas várias áreas que, forçosamente, têm de estar em sintonia com o desempenho deontológico do chefe. E este exemplo recai no ex-presidente Lula da Silva, que ao contrário do que se previa e para surpresa de todo o mundo saldou uma astronómica dívida, melhorou o estado social, criou desenvolvimento e o Brasil tem hoje consideráveis reservas monetárias nos seus cofres. A expectativa é de que este país irmão em breve venha a cotar-se numa das maiores potência económica e social. E isto deve-se a uma pessoa que não frequentou as faculdades, mas teve sempre em conta os superiores interesses da Nação.

     

       Portugal, um dos países mais velhos na sua soberania e com uma história das mais notáveis em todo o mundo, hoje à beira do abismo e humilhado, exige que todos nós exerçamos o nosso direito e dever de voto, para que venha, ainda que a prazo, a recuperar o seu prestígio e a sua dignidade.

 

      É este o motivo do meu apelo: VAMOS TODOS VOTAR. Ainda que alguns de nós consideremos que não existem bons candidatos para se dar a volta á má situação, mas mesmo assim contemplarmos o que, mediante o nosso raciocínio de valores, seja menos mau.

      

      Valdemiro de Sousa ´

 

       Por favor, se concordarem com este tema, divulguem-no nos blogs, facebook e em tudo que é internet. Os meus agradecimentos – V. Sousa.

publicado por promover e dignificar às 09:34

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De piradodamona a 28 de Maio de 2011 às 22:38
Concordo Inteiramente consigo. Não votar é entregrar o ouro ao bandido.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. A HEPATITE “A” E OS MAUS ...

. TÓPICOS A OBSERVAR NA ORI...

. TÓPICOS A OBSERVAR NA ORI...

. TÓPICOS A OBSERVAR NA ORI...

. TÓPICOS A OBSERVAR NA ORI...

. APPDH – Para que servimos...

. TÓPICOS A OBSERVAR NA ORI...

. O DIFÍCIL E COMPLICADO PR...

. Inserção Humana – PROJECT...

. COMUNICADO AOS ASSOCIADOS

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Janeiro 2011

. Abril 2010

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds